Developed by JoomVision.com

AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro

AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro

AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro

AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro

AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro

AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro

AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro AMADARCY - Associação de Amigos do Parque Natural Darcy Ribeiro
Developed by JoomVision.com

Aspectos Geológicos

PDFImprimirE-mail

AS ROCHAS E OS SOLOS DELA DERIVADOS

AS ROCHAS

Dos 3 tipos fundamentais de rochas, classificados, segundo a origem, em ígneas ou magmáticas, sedimentares e metamórficas, somente as rochas ígneas e metamórficas estão presentes na área do Parque Municipal Darcy Ribeiro, cujas formações verificaram-se em extensos intervalos de idades, desde  mais de um bilhão de anos (a metamórfica) até eventos muito mais recentes, da ordem das centenas de milhões de anos (a ígnea).

Cada um dos tipos de rochas tem parâmetros específicos de classificação (mineralogia, granulometria, estrutura, textura etc.) o que resulta em vastíssima nomenclatura que, em muitos casos, exigem análises especializadas, conduzidas por experientes profissionais petrógrafos, através técnicas e instrumentos diversos. O que aqui se aborda são classificações expeditas, sem descrições detalhadas que implicariam numa gama bem maior de tipos petrográficos e, sendo assim, privilegia-se aquelas que mostram maior incidência de afloramentos. Outras rochas estão presentes e não são citadas, em razão de baixa expressão areal e por constituírem pequenas variações das existentes, sem significado maior para os.objetivos desta apresentação.

As rochas ígneas são resultantes da solidificação/cristalização, por resfriamento, de material rochoso fundido, denominado magma e existente em níveis profundos da Terra, subjacentes à crosta terrestre. Quando um magma é característicamente ácido e viscoso tende a se solidificar em grande profundidade produzindo rocha ígnea intrusiva, cujo exemplo mais significativo é o granito. Quando um magma é característicamente básico e fluido  tende a alcançar a superfície terrestre, através fraturas, e nela se derrama produzindo rocha extrusiva ou efusiva, cujo exemplo mais significativo é o basalto.

Na Região Oceânica, onde se situa nossa  área de interesse, não é detectada a presença de afloramentos de rochas ígneas intrusivas de profundidade, nem de qualquer rocha ígnea extrusiva. No entanto, são abundantes os tipos de rochas ígneas intermediárias, aquelas que foram originadas da solidificação do magma no interior de fraturas da crosta terrestre, sem que alcançassem a superfície. O magma resfriou-se e solidificou-se no meio do caminho, dando origem aos diabásios, de ocorrências bastante significativas na Região Oceânica. São afloramentos que   denotam suas origens de amoldamento às fraturas pré-existentes, assumindo, portanto, formas tabulares e alongadas (diques). São rochas constituídas com a predominânica de minerais máficos (escuros) e de textura fina (microcristalina), preenchendo fraturas pré-existentes nas rochas metamórficas, bem mais antigas.(Foto 1)

image001

Foto1 -  Detalhe de um dique de diabásio, preenchendo fratura de dezenas de metros de espessura, localizado em corte da estrada Francisco da Cruz Nunes, próximo ao trevo do Cantagalo. Observe a textura fina, a cor escura e o fraturamento originado no processo de resfriamento do magma e do desmonte com uso de explosivos.

Rochas pré-existentes podem sofrer processos de transformação, por pressões e/ou temperaturas elevadas (altas profundidades), mantendo-se ainda em estado sólido, ou seja, sem alcançar a temperatura de fusão. Quando tais condições estão presentes, diz-se ter a rocha sido submetida ao metamorfismo, no que resulta em rocha metamórfica. Os efeitos do metamorfismo podem ser muito amplos, dos quais os mais comuns são a recristalização de minerais e orientação preferencial dos mesmos, originando o que se chama foliação. Os morros e serras da Região Oceânica têm as rochas metamórficas como arcabouço básico, cujo domínio absoluto é do gnaisse facoidal, caracterizado pela presença de cristais centimétricos de feldspatos, arredondados ou alongados (prismáticos). Destacam-se no relevo e, na área do Parque, esse destaque é representado pela Pedra do Cantagalo, seu ponto mais alto. O gnaisse facoidal constitui-se, como já visto,  na rocha encaixante dos diques das rochas ígneas intermediárias (diabásios).

image002

Foto 2 – Panorâmica da Pedra do Cantagalo, constituída de gnaisse facoidal e ponto mais elevado da Serra Grande – Parque Municipal Darcy Ribeiro.

OS SOLOS

A constituição da Serra Grande é complementada pela cobertura de solos, que têm origem no intemperismo - tansformações dos materiais da crosta terrestre – com  origem na interação com a atmosfera, a hidrosfera e a biosfera. Possuem espessuras variáveis e, no sopé ou a meia encosta,  é comum também estarem presentes materiais depositados de granulometria variada, desde areia até blocos de dimensões métricas, dando origem às coberturas conhecidas como colúvio e/ou tálus, envolvidas ou não pelo solo propriamente dito. Hoje, tais coberturas estão estabilizadas pela presença da  Mata Atlântica presente.